BRASILEIRÃO CAMPEONATO BRASILEIRO Ceará Série A

”Colômbia, tierra querida!”: Mendoza e Yony González brilham no Clássico-Rei

Foto: Felipe Santos / Ceará SC

Conterrâneos, ambos tiveram suas melhores atuações com a camisa Alvinegra

Na noite da última quarta-feira (17), o Fortaleza recebeu o Ceará, na 33ª rodada do Brasileirão. O Tricolor de Aço chegou como favorito, apesar da queda de rendimento nos últimos jogos, devido a histórica campanha no torneio nacional, até aqui. Contudo, o Vovô vive seu melhor momento, desde que Tiago Nunes assumiu o comando técnico do clube. Até então, a sequência mais recente era de 3 vitórias em 4 jogos.

Com as duas equipes sonhando com Libertadores, este, sem dúvidas, foi um dos mais decisivos duelos entre os eternos rivais, em mais de 103 anos de história do ”Clássico-Rei”. Em campo, melhor para o Ceará, que passeou em campo. Aplicou um duro 4×0, placar que não acontecia à favor do Alvinegro, desde 1994.

Anúncios

Show Colombiano

Muitos foram os destaques do Ceará nesse histórico confronto. A começar pelo goleiro, João Ricardo, que pouco foi acionado, mas quando precisou trabalhar, fez grandes defesas. Messias foi outro do sistema defensivo a ter grande noite. O xerife do Vovô teve cortes precisos, chegando a impedir o gol adversário, após Éderson receber na pequena área.

Na parte ofensiva, Lima, autor do primeiro gol, teve grande atuação na primeira etapa, sobretudo na parte tática, além da sagacidade ao perceber a desatenção de Éderson, roubar a bola e abrir o placar. Maior referência da equipe, Vina teve atuação memorável. Foram 2 gols e 3 passes decisivos para gol. Os tentos marcados colocam o camisa 29 como maior artilheiro do Vovô, na história do Brasileirão, desde 1971.

Por fim, Stiven Mendoza e Yony González tiveram suas melhores apresentações com a camisa Alvinegra. Começando camisa 10, que começou como titular, deu 3 assistências e por pouco não marcou. Foram duas grandes chances desperdiçadas, que em nada ofuscou a atuação de gala. No segundo gol, após o contra-ataque puxado por Fernando Sobral, o meia atacante recebeu na frente, girou bonito, tirando Matheus Jussa da jogada e acionando Vina, que marcou. No último tento, o ”Speed” recebeu após o meio campo e arrancou até a linha de fundo, saiu na cara de Boeck e deu passe rasteiro para Yony fechar a conta.

Por falar em Yony, que iniciou no banco de reservas, entrando em campo, aos 21 minutos da etapa final, quando já estava 2×0 no placar. Sem confiança da torcida, o número 11 do Alvinegro foi participativo desde o início. Aos 30 minutos, em tabela com Vina, o atacante quase marcou. Recebeu na frente, tirou o marcador, mas bateu para fora. Minutos depois, Vina rouba a bola no meio e passa para Yony, que disparou até a grande área, voltou para Mendoza, que deu o passe decisivo, para o camisa 29 marcar o terceiro do Vovô.

Fechando a conta, já nos acréscimos, Yony González apareceu na grande área, após a arranca de Mendoza, e empurrou para o gol, marcando pela primeira vez desde que chegou ao Ceará.

Números pelo Ceará

Mendonza chegou com grande expectativa e até iniciou bem, sendo peça importante no setor ofensiva. Mas após a Copa do Nordeste, o camisa 10 caiu de produção, passou a ser questionado no time titular e só voltou a apresentar bom futebol, depois da chegada de Tiago Nunes, que passou confiança ao mantê-lo no time principal.

Stiven Mendoza
39 jogos (35 como titular)
4 gol
6 assistências
24 Jogos no Brasileirão (20 como titular)
1 gol no Brasileirão
3 assistências no Brasileirão
1683 minutos no Brasileirão

Por outro lado, Yony nunca conseguiu manter uma sequência. Desde que chegou ao clube, o atleta teve dificuldades físicas, chegou até a ser criticado por estar acima do peso. O camisa 11 é alvo frequente da torcida. Sua atuação no clássico destoa muito da sua temporada pelo clube.

Yony González
26 jogos (4 como titular)
1 gol
788 minutos em campo
9 Jogos no Brasileirão (0 como titular)
1 gol no Brasileirão
118 minutos no Brasileirão

Anúncios

Deixe uma resposta