Fortaleza

Luiz Henrique explica dificuldade enfrentada no primeiro tempo do Clássico-Rei: ‘Rival estava muito atrás’

(Foto: Leonardo Moreira/Fortaleza EC)

Meia Luiz Henrique concedeu entrevista coletiva nessa quinta-feira (3)

Após empatar em 1 a 1 o Clássico-Rei de ida da terceira fase da Copa do Brasil, o Fortaleza se reapresentou na tarde dessa quinta-feira (3). O Leão iniciou a preparação para receber o Internacional, no domingo (6), válido pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. O meia Luiz Henrique, titular contra o Ceará, concedeu entrevista coletiva antes do treinamento ser iniciado.

Dificuldade no Clássico-Rei

O começo do Clássico-Rei dessa quarta-feira (2) não foi dos melhores para o Fortaleza. O Ceará abriu o placar logo aos dez minutos, obrigando o Leão do Pici a sair mais para o campo de ataque. Porém, diante de uma defesa bem postada, os comandados de Juan Pablo Vojvoda não acharam o caminho do gol, na primeira etapa. Luiz Henrique explica o motivo da dificuldade do tricolor nos primeiros 45 minutos de jogo:

“O nosso rival estava muito atrás. Fez o gol com dez minutos de jogo, e aí ficou muito atrás, querendo jogar no contra-ataque. A gente estava movimentando, sendo que não conseguimos (furar o bloqueio alvinegro). É muito ruim jogar contra um time que joga só lá atrás. Mas no intervalo o professor passou informação para a gente, e pudemos melhorar no segundo tempo”.

Disposto a ajudar

Conhecido pelos torcedores como um “meia-armador”, Luiz Henrique tem alternado de posição no Fortaleza. Com isso, o camisa oito se mostra disposto a ajudar o clube, independente da posição que Juan Pablo Vojvoda optar por colocá-lo:

“Estou disposto a ajudar a equipe, ajudar o treinador e ajudar o Fortaleza, sempre com confiança e alegria. Onde o professor escolher para eu jogar, seja de volante, meia, ala ou lateral-esquerdo, vou estar sempre disposto, com confiança e alegria”.

Adaptação rápida

No Clássico-Rei dessa quarta-feira, Luiz Henrique recebeu uma função fora do habitual dele. Acostumado a jogar na faixa central do campo, o atleta atuou como ala, e, muitas vezes, até de lateral-esquerdo. O camisa oito comenta sobre a adaptação à nova posição:

“Eu pude me adaptar muito rápido. O professe me passou confiança antes do jogo. Mandou eu jogar com alegria, com confiança, como eu sei jogar. Fui feliz. Eu gostei, o professor gostou, pude ajudar a equipe da forma que ele pediu. Não saímos com a vitória, mas quinta-feira (10) tem mais 90 minutos e se Deus quiser vamos sair com a classificação”.

Qualidades de Vojvoda

Titular no Clássico-Rei, Luiz Henrique diz que ficou sabendo da oportunidade um dia antes do duelo contra o rival. Além disso, o meia comenta sobre as qualidades de Vojvoda e disse que o elenco abraçou o treinador argentino:

“Descobri no treino antes do jogo. A qualidade do nosso treinador Juan é que ele pede muita intensidade, muita mobilidade, infiltração e dá oportunidade para todo mundo. Ele dá confiança para todo mundo, independente do jogador, bota para jogar independente do jogo. A gente abraçou ele e estamos podendo demonstrar dentro de campo o que ele pede”.

Guilherme de Andrade
Tenho 19 anos e curso jornalismo.
http://guilhermesport.wordpress.com

Deixe uma resposta