Ceará Copa Sul-Americana

Depois da final do estadual, Oliveira muda o foco e fala em “pensar para frente”

(Reprodução/Vozão TV)

Além disso, o volante falou sobre a expectativa de jogar na altitude. Algo que ele não havia feito em sua carreira.

Um dia depois de não conquistar o título do Campeonato Cearense contra o Fortaleza, o volante Oliveira, do Ceará, concedeu entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira, 24. Na ocasião, o jogador falou sobre o que deve ser feito para mudar o foco e já pensar na próxima partida decisiva, pela Copa Sul-Americana; destacou a importância de chegar na última rodada da fase de grupos dependendo apenas de si para se classificar e diz não ter receio em jogar na altitude de Cochabamba.

Virar a chave

Depois de não conseguir reverter a vantagem do Fortaleza de jogar pelo empate e não conseguir conquistar o campeonato estadual, o Ceará já tem uma nova decisão logo em seguida. Na próxima quinta-feira, 27, jogará contra o Jorge Wilstermann, da Bolíva, pela Sul-Americana. Para Oliveira, o que deve ser feito é “lamber as feridas” e pensar para frente.

“Não é fácil perder um título dessa forma, pelo regulamento. Nós sabíamos da dificuldade do jogo, da final, ainda mais sendo um clássico, um jogo à parte. Eu acredito que não faltou entrega, não faltou vontade da nossa parte, fomos no nosso limite e infelizmente não conseguimos o tão sonhado título, que era nosso objetivo. Mas, a gente já tem um compromisso muito importante contra o Jorge Wilstermann. Temos que ‘lamber nossas feridas’ e pensar para frente”.

Classificação

O Ceará, para a última rodada da fase de grupos da Sul-Americana, depende apenas de si para se classificar, pois na classificação do grupo C, está na liderança. O volante diz que essa situação é muito boa, porém ressalta a dificuldade que o Alvinegro poderá ter nessa partida.

“É muito bom você depender só de si e hoje nós dependemos só de nós. Mas sabemos da dificuldade que é jogar na altitude, sabemos que o time dele é um time de qualidade. Eu não joguei na altitude, mas pelo o que a ‘rapaziada’ que jogou contra o Bolívar falou não é fácil, porém é o que temos pela frente. Encarar esses desafios com as nossas forças e trazer a classificação para a capital do Ceará”.

Jogar na altitude

A partida contra o Jorge Wilstermann acontecerá na altitude da Bolívia, mais especificamente no Estádio Félix Capriles, em Cochabamba, 2500 metros acima do nível do mar. Na carreira de Oliveira, essa será sua primeira oportunidade de jogar com essa adversidade e ele diz não ter receio em atuar dessa forma.

Receio nenhum, pelo contrário, eu gosto de desafios. Eu acredito que isso é bom, experiências novas e buscando para todo mundo que passou por lá, inclusive os nossos companheiros que tiveram um jogo muito difícil lá e de extrema importância, com um resultado que está fazendo a diferença para nós. […] Falaram que cada um tem um sintoma, mas eu penso de uma forma diferente, um time que quer buscar algo na competição deve superar todas adversidades”.

Deixe uma resposta